O Caminho mais difícil

Até certo tempo atrás, literaturas relacionadas ao estudo da neurologia eram enfáticas em suas conclusões que o cérebro basicamente não possuía o poder de regeneração ou não era um órgão capaz de alterações, principalmente com o avanço da idade. Considerava-se portanto um órgão que não tinha a capacidade de mudar, preguiçoso.
Novos estudos comprovaram que essa tese é errada, jogando por água a baixo anos de uma comprovação científica que hoje não é mais aceita, chegando portanto ao conceito da NEUROPLASTICIDADE. 


Em termos gerais entende-se que o cérebro sim, é adaptável, reage a mudanças e que na verdade é um órgão que sempre busca manter-se em “Stand by”. Ele busca a otimização de desgaste a todo momento! Ele procura economizar energia.
O cérebro procura o caminho mais fácil e é por isso que é tão difícil dar o primeiro passo para uma mudança pois naturalmente caminhamos na zona de conforto, conforme nossos hábitos cotidianos.


Quando enfrentamos uma dificuldade, quando surge algo novo ou criamos algo novo, nosso cérebro busca novas conexões, busca novos caminhos para a adaptação e consequentemente “gasta” mais energia.
Por isso é mais fácil comer da forma que sempre comemos e nunca começamos a tal dieta da segunda-feira. É por isso que usamos o mesmo caminho de casa pois inconscientemente é mais fácil. Por isso não é agradável escutar um não, pois somos formatados para que nada dê errado senão a vida vira um caos.


Não sei se você sabe mas a vida nunca irá te esperar. Ela irá manter o rumo conforme ela bem entende e depende de você mudar a ordem natural das coisas.


Quando forçamos nosso cérebro a percorrer o caminho mais difícil, mudando nossos hábitos, automaticamente ocorre a pré-disposição em aceitar o não, a encarar uma derrota, a entender que é preciso corrigir um percurso. Quando entendemos que mudar é necessário e tomamos atitudes para mudar, naturalmente reduzimos de forma considerável nossa expectativa sobre qualquer situação ou relação pessoal, e grandiosamente reduzimos nossas frustrações, excluindo consequentemente sentimentos desagradáveis.

Quando confrontamos o desconforto, lapidamos um cérebro mais forte, blindado, resistente.

É mais confortável fazer o que sempre fazemos. É mais fácil dar desculpas e viver na mediocridade. É tranquilo sermos vítimas da situação quando é muito mais difícil aceitar nossos erros. É mais fácil ir para uma sessão fotográfica cumprir agenda quando poderíamos sair da zona de conforto e enfiar o “pé na lama” para buscar o melhor. É mais fácil usar os mesmos equipamentos, vender da mesma forma, ter o mesmo site que sempre esteve no ar a anos e deu certo até então ou fazer a mesma promoção de final de ano com os mesmos dizeres e dar desculpas que não obteve resultados como nos últimos anos porque o mercado está saturado.


O mercado é soberano, unilateral. Ele caminha para onde ele quer. Ele comanda as mudanças que ele quer! Se não estamos dispostos a mudar como ele muda, estamos fadados ao fracasso.


Em qualquer momento da vida, em qualquer área da vida, pessoal ou profissional, temos dois caminhos a seguir:
O mais fácil: que nos leva a fazer sempre a mesma coisa e acreditar que um dias as coisas mudam e que somos vítimas das circunstâncias, sendo no mínimo medíocres.
O mais difícil: quando estamos dispostos a moldar nossos caminhos, prontos para aceitar qualquer dor e obter a grandeza.

Nunca é tarde para mudar. Não existe idade, tempo, momento. Mudar exige uma mudança de hábito. Existe o desejo de não mais aceitar aquilo que não te deixa feliz.

Para finalizar, deixo abaixo sugestões se você quer dar uma chance para a mudança e um novo rumo para a sua vida:

1.  Não aceite o óbvio, questione;

2. Não aceite qualquer pessoa por perto que te faça algum mal, corte na raiz e esqueça;

3. Exclua aquilo que não te faz feliz! Coragem;

4. Não escute a opinião de outros. Você não é o que os outros acham!

5. Você é o melhor que existe, não queira ser alguém que você não é;

6. Você tem todas as condições de mudar, basta começar.

Faça com que a vida tenha respeito por você. Não tenha medo da vida. 

Se precisar de ajuda ou apenas quiser bater um papo, me chame.