O Ponto da viradaTreinamento - Metodologia - Decisão

O ponto da virada.

Este é um termo no qual cheguei para concluir a análise de um tema que tenho estudado e confirmado cada vez mais na prática, através da minha atuação como fotógrafo e em consultorias e cursos de fotografia que desenvolvo.

O ponto de decisão é o entendimento que tenho sobre o dom x desejo, (Aptidão x necessidade ou genética x treinamento) de realizar ou fazer algo com a relação (horas/trabalho). Existe uma tese, uma defesa, um estudo feito por um Jornalista e escritor – Gladwell, onde ele afirma em termos gerais que uma pessoa com 10.000 horas de estudo e prática, consegue alcançar um nível de conhecimento e excelência, necessários para realizar determinada atividade ou ofício. Sua defesa se resume basicamente na seguinte frase:

“Não importa o dom ou talento de alguém para fazer algo. O que importa é a prática constante, que leva a perfeição”.

A defesa realizada através de seu livro  – “Fora de Série, controversa para muitos, errônea para outros vários, causou discordâncias pois existiu o entendimento portanto que qualquer pessoa poderia ser o que quisesse pois bastava então dedicar-se ao treinamento contínuo (horas/treinamento) para obter determinado êxito em qualquer área, deixando de lado a genética, aptidão, dom e etc.

Quando li sobre a tese de Malcolm Gladwell, fiquei absurdamente impactado, pois enxerguei ali muitas respostas para coisas que eu sempre acreditei. A euforia por encontrar um princípio que vai ao encontro da minha percepção e crença logo se abrandou com outra necessidade de encontrar uma âncora, uma base para tentar explicar o princípio do conceito que acredito e aplico nos trabalhos que realizo com meus alunos de fotografia. Utilizo como um fundamento preliminar mas que aplico na prática, na minha metodologia de ensino.

Pela minha trajetória, por toda a vivência na área de fotografia e outras áreas que atuei anteriormente, por diversos ensinamentos que aprendi, por vários estudos que realizo, acredito cada vez mais na seguinte frase: “Quem quer pega, faz e vence”. 

Eu já acompanhei e participei da evolução de pessoas que não tinham a menor condição de falar em público (entravam em pânico) e que após treinamento contínuo e uso de uma metodologia, tornaram-se exímios palestrantes. Tenho um amigo que nunca pegou em um instrumento musical e que hoje, passados 2 anos de estudo, treinamento e metodologia, sabe tocar uma guitarra de dar inveja! Você possivelmente conhece alguém que era totalmente avesso a exercícios físicos mas que hoje está em todas as maratonas, através de persistência, treinamento e busca de conhecimento – método (esse é aquele seu amigo que todo dia ao ir para o trabalho de manhã, você vê ele na beira da avenida em um ritmo frenético e que você não sabe se sente arrepios só de ver ele naquele frio ou inveja, por não estar ao lado dele, mudando também de hábitos). Quer outro exemplo? faça hoje duas flexões de braço na sala da sua casa. E por 4 semanas aumente uma flexão a cada dia. Se começou com 2 flexões no primeiro dia, no quinto dia você deverá estar realizando 10 flexões. Faça isso por 4 semanas e depois veja o resultado! Como um senhor de idade, que atua construindo telhados, consegue subir escadas com enormes peças de madeira extremamente pesadas, sem mudar o semblante? Já viu isso?

A questão é o Treinamento: A Prática. A MetodologiaComo fazer. E o principal, que acredito veemente e que uso como título do texto: O ponto de virada: A decisão. O quanto você consegue suportar, a paciência de executar, de estar disposto a errar inúmeras vezes para fazer dar certo.

Somente para colocar uma “Cereja no Bolo”, outro dia recebi um vídeo, uma palestra de um expert do mercado financeiro de sucesso reconhecido, onde ele fazia o uso da tese de Gladwell e uma analogia ao seu mercado, onde muitos desistiam na primeira queda e que não tinham paciência e persistência de prosseguir com seu sonho e que tornavam-se portanto, frustrados ou fracassados.

Eu chamo de ponto da virada o momento em que nada mais parece ter condições de dar certo e o jogo vira. É quando chegamos no limite da exaustão, do treinamento árduo e contínuo na busca pela excelência parece não ser suficiente e a “chave muda”. É quando a luz no fim do túnel surge, de forma brilhante. Mas então é sorte? Não! É resultado! Treinamento! Metodologia! Passos certos sem desvios. Mas tem algo desconexo com o todo. Um hora falamos aqui de treinamento, de horas de trabalho, de dom, metodologia, persistência, tese, defesa e porque entra essa questão sem sentido de “ponto da virada”.

Nos vivemos em um ambiente ansioso. O hoje, tem a necessidade de ser para ontem. Vivemos a era do intangível, onde o “nada” nunca foi tão fácil de ser vendido, em um ambiente (internet) onde “tudo é de todos e nada é de ninguém”. E neste movimento, as pessoas não tem paciência de aguardar resultados, inteligência para persistir e discernimento para decidir.

Venho batendo na tecla já a algum tempo, em oficinas e cursos que ninguém nunca está preparado para fazer nada se não fizer. Luto o “bom combate” com a única pretensão de mostrar que é possível vencer e para isso basta querer. De levar a boa palavra para todos aqueles que estão ao meu redor ou que estão chegando com a necessidade de reinventar-se. Procuro mostrar para meus alunos que tudo é possível e que isso é real! O ponto de virada está na vida de todos nós, adormecido mas aguardando ser “ativado”.

Quer mais um exemplo? Conheço um fotógrafo que aos 29 anos nunca tinha pegado em uma câmera fotográfica, que nessa idade já era casado e pai. Que vive em uma região metropolitana, rica em indústrias mas totalmente escassa de cultura e incentivos e que, em determinado momento de sua vida resolveu recomeçar e com estudo e prática que permanece até hoje após 12 anos, com muitos erros mas com o desejo inabalável de fazer dar certo, pois tinha portanto escolhido viver de fotografia, tem o reconhecimento de amigos e clientes que enxergam em seus olhos de forma limpa e cristalina, seu amor em exercer seu ofício ou transmitir com a toda a verdade, seus conhecimentos.

 

 

 

 

 

 

© Tulio Isaac fotógrafo em Betim Belo Horizonte Contagem Fotografia em Betim fotógrafo de casamentos em Contagem Belo Horizonte Coaching Betim Coach em Betim Coaching em Betim Mentoria para fotógrafos Coaching para fotógrafos Coaching BH Coach BH Coach Betim Coach Contagem Cursos de fotografia em Betim Escola de fotografia Betim Escola de fotografia Belo Horizonte Cursos de fotografia Contagem Curso de iniciação a fotografia Curso básico de fotografia Curso completo de fotografia Curso avançado de fotografia Metodologia de ensino Método de ensino fotografia betim fotos de casamento Betim Fotógrafo de casamento Betim Escola Betim Fotografia Escola de fotografia Betim Curso avançado de fotografia em Betim BH Curso completo de fotografia BH Curso de fotografia belo Horizonte Curso individual para fotógrafos Professor de Fotografia Betim Professor de Fotografia BH